Empreender – A Cura ou a Doença???

O País vive tempos difíceis. O desemprego atinge níveis cada vez mais preocupantes e nem os novos números que vão surgindo um pouco melhores (ainda que timidamente) nos dão grande alento e esperança num futuro sem desemprego.

A solução “vendida” por quem nos governa é a criação de empresas e a isso têm respondido os Portugueses de uma forma absolutamente assustadora.

Entre 2007 e 2015, foram constituídas 309 550 empresas e outras organizações, (cerca de 34 mil por ano, em média). Em 2015, no melhor ano em número de constituições desde 2007, foram constituídas 37 924 empresas e outras organizações. (Informa D&B - Serviço de Gestão de Empresas Sociedade Unipessoal, Lda.)

As empresas com menos de um ano de atividade, assumem um papel de relevo no universo empresarial português.

Os primeiros anos de vida de uma Start-up, são especialmente importantes. De modo uniforme, entre 2007 e 2015, cerca de dois terços (67%) das empresas sobreviveram ao primeiro ano de atividade, pouco mais de metade (52%) ao fim do terceiro ano e apenas 41% transpõem o limiar da idade adulta, sobrevivendo ao quinto ano, sendo que esse valor desce para 33% ao fim de sete anos.

E é aqui mesmo que temos que atuar. Não interessa ao País que se criem empresas que ao fim de 1 ou 2 anos estejam fechadas ou que continuem sem gerar atividade. Não interessa ao País que os desempregados corram atrás dos apoios a que conseguem aceder para criar empresas, para depois as fecharem passados 1 ou 2 anos, colocando-se numa situação pior do que já estavam. O que interessa é criar empresas, que atinjam a idade adulta, que gerem lucros e que criem postos de trabalho (diretos e indiretos).

Nem todos nascemos empreendedores e com uma capacidade inata para criarmos a nossa própria empresa e levá-la a bom porto, no entanto, tal como tudo na vida para o qual não se nasce, pode ser aprendido. E é aqui que entra a formação profissional.

Recomendo vivamente a todos os que querem iniciar-se neste mundo que é o empreendedorismo, que frequentem não um mas vários cursos de formação, workshops, palestras, etc. sobre esta temática. Informem-se e formem-se sobre tudo o que precisam de saber não apenas para criarem a vossa própria empresa, mas também para a poderem gerir e fazer com que a mesma chegue próspera à idade adulta.

Saudações Empreendedoras!!!

 

Nuno Gaspar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *