Recurso Preventivo

O Real Decreto 39/1997 (Espanha), que aprovou o Regulamento dos Serviços de Prevenção, estabelece a obrigatoriedade das empresas terem formação em Prevenção de Riscos Profissionais com vista a habilitar os trabalhadores como “Recursos Preventivos”:

Este curso tem como intuito principal possibilitar que as empresas possam trabalhar em Espanha cumprindo com a obrigatoriedade legal de terem esta formação.

Objetivos do curso:

👉 Promoção de  comportamentos seguros.

👉 O uso correto do equipamento.

👉 Incentivar a cooperação dos trabalhadores em ações preventivas.

👉 Promover e controlar o monitorização das ações preventivas.

👉 Realizar avaliações de risco e estabelecer medidas preventivas.

👉 Colaborar na avaliação e controle de riscos.

👉 Atuar em casos de emergência e primeiros socorros e cooperar com os serviços de prevenção.

 

Técnicas de Negociação e Venda

Hoje em dia, os mercados são cada vez mais competitivos e disputados.

Quer a nível profissional quer a nível pessoal, as sólidas habilidades de negociação são fundamentais para o nosso sucesso.

Negociação é assim uma arte e um processo estratégico que envolve construir confiança e desenvolver relacionamentos, bem como influenciar e modelar comportamentos que resultem em acordos mutuamente satisfatórios para todas as partes envolvidas.

Nesta perspetiva, os Profissionais de Vendas são a parte mais importante de todo o processo, porque é através do seu trabalho de vendas e da fidelização dos seus clientes que as empresas prosperam e a rentabilidade aumenta.

Um bom Negociador não vê o cliente apenas como um simples comprador, percebe o que o motiva, cria com ele uma relação de confiança e compromisso, antecipa objeções e sabe como gerir uma apresentação para atingir o seu objetivo.

Assim, neste curso iremos abordar as técnicas, os métodos e processos que permitam aos Profissionais de Vendas alcançar um maior sucesso nas vendas.

O ambiente económico atual é caracterizado por uma forte competitividade, pela globalização, pelo desenvolvimento tecnológico e da informação, e por uma crescente necessidade de otimizar recursos, o que exige cada vez mais às organizações, performances e processos negociais eficazes.

Vivemos atualmente num mercado essencialmente de oferta, as organizações necessitam de gerir os conflitos de interesses de forma integrada, para que possam responder assertivamente às necessidades da procura.

A negociação assume-se assim, como um fator chave no seio da gestão, com particular relevo no contexto comercial.

Sabemos que uma grande parte do tempo dos compradores e vendedores é passada a negociar, e que é nas suas múltiplas interações que muitas vezes se alavancam e concretizam estratégias de valor para as organizações.

Torna-se, portanto, muito importante perceber quais as variáveis que podem influenciar a eficácia negocial.

importancia-formacao-continua

Importância da Formação Contínua para Colaboradores e Empresas

Na era da economia do conhecimento, a formação contínua representa um papel fulcral no desenvolvimento do percurso de cada profissional, sendo considerado o conhecimento como a base para todas as melhorias de desempenho e alcance de objetivos. O desempenho dos profissionais com mais formação/experiência está diretamente relacionado com o alcance dos objetivos e é essencial para atingir o sucesso em qualquer área de negócio.

– A formação profissional contínua é uma ferramenta que permite elevar os níveis de produtividade, sendo que permite manter os colaboradores atualizados sobre a legislação, exigências práticas e processos e fazer um refresh dos conhecimentos adquiridos;

Eleva a motivação dos colaboradores, uma vez que aumenta a confiança nas suas capacidades para desenvolver as suas funções

Minimização dos conflitos e estimulação do trabalho de equipa através da especialização das equipas;

Orientação do trabalho para que os funcionários tenham a capacidade de gerir as suas tarefas diárias, estando sempre orientados para os objetivos a alcançar.

As empresas que proporcionam formação contínua aos seus colaboradores estão propensas a elevar a eficiência e eficácia no desenvolvimento das várias funções e a conseguir melhores resultados.

valorizacao-empreendedorismo-rural

Valorização e Empreendedorismo Rural

O Turismo Rural não é um fenómeno acidental ou temporário, mas sim o resultado da evolução do modelo de sociedade em que vivemos. 

Pouco tendo em comum com as modalidades convencionais do designado “turismo”, esta atividade apresenta características próprias,  tendo como objetivo essencial, oferecer aos utentes a oportunidade de reviver as práticas, os valores e as tradições culturais e gastronómicas das sociedades rurais, usufruindo da tranquilidade que a natureza proporciona. 

O mundo rural possui um património cultural, edificado, natural e paisagístico de infinita riqueza. Reconhecer o valor do passado, proteger e valorizar o património rural, torná-lo conhecido, acessível e interativo com as populações rurais é uma tarefa indispensável à manutenção dos equilíbrios ecológicos, à preservação da autoestima e do desenvolvimento económico, social e cultural.

Importa salientar, que nem todas as zonas rurais reúnem condições para a prática do turismo rural. Com efeito, é necessário que determinados fatores existam ou coexistam, a fim de assegurar o sucesso dos investimentos a realizar.

Assim, neste curso iremos abordar estes fatores, técnicas, métodos e processos que permitem a promoção do desenvolvimento rural, através do incentivo à inovação, e à valorização do empreendedorismo rural. 

gestao-seguranca-saude-trabalho-industria

Gestão de Segurança e Saúde na Indústria

O curso destina-se a todos os profissionais do sector industrial, nomeadamente relacionados com a operação de máquinas e equipamentos. O curso permite ainda a Atualização Científica e Técnica para evitar a suspensão por parte da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) do Título Profissional de Técnico Superior de Segurança no Trabalho (TSST) ou Técnico de Segurança no Trabalho (TST). No final do módulo os formandos deverão ser peritos nas seguintes componentes:
  • Interpretar os conceitos referentes ao regime jurídico de SST e regime jurídico dos acidentes de trabalho;
  • Interpretar as normas de equipamentos – Decreto-Lei 50/05, de 25 de Fevereiro e da directiva máquinas – Decreto-Lei 103/2008, de 24 de Junho
seguranca-saude-construcao-civil

Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho na Construção Civil

O curso Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho na Construção Civil destina-se a Técnicos de Segurança, Engenheiros Civis; Arquitetos, Diretores de obra, Fiscais de obra e/ou Empregadores. É igualmente destinado aos Técnicos que pretendam realizar uma atualização científica e técnica para evitar a suspensão por parte da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) do Título Profissional de Técnico Superior de Segurança no Trabalho (TSST) ou de Técnico de Segurança no Trabalho (TST). No final do módulo os formandos deverão ser peritos nas seguintes componentes:
  • Identificar e interpretar a legislação ao exercício da função de Técnico ou Coordenador de Segurança na Construção;
  • Realizar (com os conhecimentos adquiridos) Planos de Segurança e Saúde, validar tecnicamente os mesmos e monitorizar a execução do Plano de Segurança e Saúde para a fase de obra;
  • Apoiar o Dono de Obra na elaboração e atualização da documentação.
Cursos eLearning

Benefício das Formações eLearning

A caminho de uma era cada vez mais digital, o E-learning,  em matéria de formação, veio para ficar e para tornar a vida das pessoas mais cómoda, facilitando a “correria” da sua rotina e proporcionando momentos de aprendizagem ao seu ritmo.

O desenvolvimento da tecnologia e das redes de comunicação tornou a formação à distância uma forma vantajosa de progredir profissional e pessoalmente. Sendo que, proporciona uma grande flexibilidade de acesso aos cursos, bem como a redução de custos de espaço e tempo, uma vez que, estando conectado à internet, é possível aceder à plataforma a partir de qualquer lugar e no horário desejável.

O foco central é o formando e as suas aprendizagens, sendo que há a possibilidade de acompanhamento personalizado, de modo a que este consiga adquirir uma maior bagagem de conhecimentos e melhorar a sua capacidade de autoaprendizagem, dado o distanciamento físico.

A aprendizagem virtual permite alargar a oferta formativa, sendo que não há necessidade de espaços físicos e os conteúdos podem ser planeados com antecedência.

Sempre a um clique de distância dos conteúdos formativos, o ambiente virtual de aprendizagem é uma alternativa eficiente e com elevada praticidade, que tem o intuito de aprimorar os conceitos atuais, adquirir novos ou empreender numa nova área de negócio.

Colaboradores passam a ter 40h de formação obrigatória anual

De acordo com a Lei Laboral do Código de Trabalho em vigor, cada trabalhador tem o direito individual à formação,  tendo em vista a melhoria do desenvolvimento do trabalhador, o aumento da produtividade e competitividade da organização.

A referida lei pratica-se através de um número mínimo anual de horas de formação, mediante as ações desenvolvidas na empresa ou a concessão de tempo para a frequência de formação por iniciativa do trabalhador. Sendo que a empresa deve assegurar o direito à informação dos seus representantes e colaboradores, reconhecendo e valorizando a qualificação adquirida pelo trabalhador.

No sentido garantir mais benefícios aos trabalhadores e de promover a sua valorização foi promulgada a alteração no Código de Trabalho, nomeadamente ao nível da carga horária de formação obrigatória, que dita que o colaborador passará a ter direito a, no mínimo, 40 horas de formação anual em detrimento das 35 horas anteriormente praticadas.

Sendo ainda de realçar que as empresas que não cumpram esta lei estão sujeitas a penalização, constituindo uma contra ordenação grave, o que se traduz em coimas aplicadas pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT). Uma vez que todos os colaboradores têm o direito à formação, no sentido de adquirir competências para se adaptarem às alterações do meio empresarial e aumentarem os índices de eficiência, produtividade e competitividade.

 

Pode consultar os arts. 130 a 134 do código de trabalho, lei 7/2009 de 12 de Fevereiro e lei 102/2009 de 10 de Setembro.

O Impacto do RGPD

Com o intuito de reforçar a proteção de dados pessoais de pessoas singulares e combater o seu uso abusivo surge, na União Europeia, o regulamento que dita as regras sobre a proteção, tratamento e livre circulação destes dados, na medida em que todas as empresas necessitam de garantir a conformidade com o RGPD, nomeadamente através da adoção de mecanismos de segurança de dados.

Surge, com isto, a necessidade das empresas criarem práticas que vão de encontro a este regulamento e que tenham por base o conhecimento de que qualquer cidadão tem o direito à proteção dos seus dados e a realizar alterações no mesmos, bem como a garantir que as suas informações pessoais sejam apenas utilizadas caso se verifique o seu consentimento.

Este novo regulamento representa algum impacto nas organizações, sendo que o seu incumprimento pode resultar em elevadas coimas e numa desaceleração de resultados, devido à dúvida que surge no momento em que os consumidores transmitirem o seu consentimento para o tratamento dos seus dados pessoais.

O impacto do RGPD passa, também, pela obrigatoriedade as organizações incorporarem um Encarregado de Proteção de Dados na sua equipa de colaboradores, a que as organizações de grande escala bem como as PME (pequenas e médias empresas) estão expostas.

Todas estas matérias exigem a constante adaptação das empresas que passa pela necessidade de inovação de processos, sendo que se pretende garantir a máxima segurança do cliente e dos respetivos dados pessoais.

Regulamento Interno de Empresa

O curso Regulamento Interno de Empresa (área de formação 862 – HST) permite conhecer a legislação e as boas práticas que permita elaborar um Regulamento Interno de Segurança e Saúde no Trabalho ou um Regulamento Interno Geral de Empresa, onde estão englobadas as matérias de Segurança e Saúde no Trabalho.

Pretende-se que no final do modulo os formandos sejam capazes de elaborar um Regulamento Interno de Empresas que respeite as disposições legais (trabalho final do curso).

Elegível para Atualização Científica do Título Profissional de T(S) ST  (renovação de CAP de Técnico e Técnico Superior). Reconhecido pela ACT, certificado pela DGERT na área 862 – Higiene e Segurança no Trabalho.

JÁ FORMÁMOS COLABORADORES DAS MAIS DIVERSAS ORGANIZAÇÕES